quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Doentes de Amor é uma comédia romântica sincera e inspiradora

Quem acompanha meu blog ou convive comigo deve saber que eu gosto de olhar minha vida de modo cômico, mesmo as coisas românticas ou desgraças que acontecem comigo. É isso que os roteiristas Emily V. Gordon e Kumail Nanjiani fazem em “The Big Sick” a comédia romântica do casal está concorrendo ao Oscar na categoria de melhor roteiro Original. O filme tem 98% de aprovação no Rotten Tomatoes e uma nota de 7,8 noIMDB.




Sinopse

O comediante e motorista de Uber Paquistanês Kumail Nanjiani (Kumail Nanjiani) se apaixona pela estudante de psicologia Emily Gardner (Zoe Kazan), mas o romance acaba quando suas culturas entram em conflito. Quando Emily contrai uma doença misteriosa e entra em coma, em risco de vida, Kumail percebe o quanto ela é importante e tem que resolver seus conflitos emocionais entre sua família, sua cultura e seu coração.

Choque de cultura

Achou que eu não faria referência ao Choque de Cultura? Achou errado, otário!  Ok, referências a parte...

Relacionamento entre pessoas de etnias diferentes é algo que nunca foi muito bem visto, como falamos no artigosobre “A forma da água”, e como é abordado no filme "Corra!". Até hoje em dia existe algum preconceito ou choque cultural quanto a isso.

Essa é exatamente uma das problemáticas do filme, Kumail vem do Paquistão onde a população tem o costume de fazer casamentos arranjados entre casais da mesma cultura. Além disso, todos aqueles que não seguem essa tradição, se casando com alguém que não é paquistanês, é expulso da família e todos os familiares são proibidos de falar com eles.


Isso coloca Kumail em uma situação delicada onde ele não conta para sua família que está namorando uma garota branca americana e também não conta a verdade sobre essa tradição à Emily. Esse fato desencadeia a briga entre o casal no final do primeiro ato quando Emily descobre as fotos das garotas paquistanesas que Kumail mantém guardado em uma caixa de charutos.

É explicito que Kumail não tem interesse nenhum em viver segundo a cultura da família. Seu desejo é viver como um americano, mesmo que ele próprio tenha um espetáculo onde fala sobre sua vida no Paquistão. Mas o medo de perder a família o faz reprimir esse sentimento, mentindo para todos ao redor de si.

De fato, Kumail só percebe o quanto Emily é importante no momento em que ela adoece e ele insiste em visitá-la no hospital. Mesmo assim, ele segue mantendo as tradições com a família, deixando que sua mãe leve sempre uma mulher diferente para o jantar até ser confrontado por seus pais após recusar uma dessas mulheres.

Conflitos e conflitos

Como falamos no artigo sobre ThePost – A guerra secreta, Conflitos são importantes para manter uma trama viva. No caso de “Doente de Amor” existem muitos conflitos rolando. Não apenas os conflitos entre Kumail e seus familiares, mas também com os pais de Emily, em especial a mãe desta.

Devido as mancadas de Kumail, os pais de Emily estão bem cientes do quão ruim ele foi para a garota. Logicamente, não estão interessados em sua preocupação. Eles deixam bem claro para Kumail que ele não é bem vindo no hospital.


É interessante aqui que, diferente da grande maioria das comédias românticas em que o casal passa por várias coisas desenvolvendo seus laços, em "Doentes de amor" o protagonista desenvolve seus laços com os pais da garota. Claro que os laços e romances entre Kumail e Emily se desenvolvem durante o namoro, mas boa parte do filme trabalha no relacionamento de Kumail com os pais de Emily.

Há, nesse ponto, alguma semelhança entre Kumail e o pai de Emily, já que este também machucou sua esposa profundamente no passado. O pai de Emily é do tipo que evita conflitos. É um homem passivo e que não entra numa briga facilmente, exatamente como Kumail que esconde a verdade de todos para evitar conflitos.

Mas os conflitos aparecem mais cedo ou mais tarde, o que ensina a Kumail que não importa o quão prejudicial possa ser para si mesmo, ele precisa contar a verdade e tomar decisões.

Um filme simples e sincero

Se a sinceridade é algo marcante que Kumail teve que aprender, ele expressa sua evolução sobre isso no roteiro. “Doente de amor” é uma afirmação do romance dos escritores. Um filme simples e sincero. Kumail e Emily da vida real colocaram nas 114 páginas do roteiro sua história de amor muito bem contada. É, de fato, uma história inspiradora para muitos casais que passam por crises e problemas.


Kumail e a verdadeira Emily


Doente de amor está concorrendo ao Oscar de melhor roteiro original e é uma ótima sugestão para quem gosta de comédia romântica com uma pitada de drama.



Nenhum comentário:

Postar um comentário